Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2017

John Paul Keith (Knoxville, Tennessee)

Imagem
 John Paul Keith (Knoxville, Tennessee)
Ocantor e compositor John PaulKeithtem uma inclinaçãoem direção ao pop/rockvintage de sotaque sulista.Um nativo deKnoxville,Tennessee,Keithcresceu cantandona igreja,aprendeu a tocar violãoaos dez anose herdouo amor pelorock e bluesartistasclássicos comoChuckBerryeBB Kingde seu pai, que era motorista decaminhão.Na adolescência,Keithera um membrodoVice Rays, banda underground de Alt-Country, mas deixou a banda paraseguir carreira solo. 
Migrando para Nashville, berço do Country americano, lançou em 2009seu álbum de estréia, 'Spills and Thrills',que recebeu significativos elogios da crítica, mas não foi obviamente um sucesso comercial. Por seu estilo, recebeu comparações com gente grande, como Buddy Holly, Creedence ClearwaterRevival e BookerT.& theMGs. Migrou novamente, desta vez paraMemphis, onde fincou novas raízes e desenvolveu mais dois álbuns. O mais recente,  'Memphis Circa 3AM', de 2013, é sensacional. Garageiro e melódico…

Discoteca Básica; 'The Kinks', The Kinks (1964)

Imagem
Discoteca Básica; 'The Kinks', The Kinks (1964)

Será possível recapitular a história do rock apenas com riffs de guitarra? Humm... talvez sim, talvez não. Mas, se tivermos de pinçar uma dezena destes, entre itens cult e grandes sucessos, o de "You Really Got Me" certamente não ficará fora.



A canção saiu num single em agosto de 64 e, a seguir, no primeiro álbum dos Kinks. E levou Ray Davies (voz, guitarra), seu irmão Dave (guitarra), Peter Quaife (baixo) e Mick Avory (bateria) - todos de Muswell Hill, norte de Londres - ao topo da concorrida cena beat.  Até então, eles e os Animals, Yardbirds, Zombies e afins formavam um bloco amorfo, cujo repertório era composto basicamente por covers (hits do rock, standards do blues, novidades soul). Foi quando passaram a privilegiar material próprio que as diferenças apareceram.

Os Kinks largaram mal. Um pastiche de "Long Tall Sally" e, logo após, "You Do Something To Me", début de Ray como autor, que vendeu estro…

Shows Completos; The Strokes, Ao Vivo no Festival de Hurricane, Alemanha - 24-06-2006

Imagem
Shows Completos + Downloads; The Strokes, Ao Vivo no Festival de Hurricane, Alemanha - 24-06-2006 (Fonte; Mesa de Som);
Mais um showzaço para download!
Strokes, uma das bandas mais legais e influentes dos anos 2000 sendo ótimos ao vivo, como de costume. Confira o set!
Setlist 01 Juicebox 02 Red Light 03 The End Has No End 04 The Modern Age 05 Heart in a Cage 06 12:51 07 Alone, Together 08 Electricityscape 09 Is This It 10 Ize of the World 11 Someday 12 You Only Live Once 13 Last Nite 14 Hard to Explain 15 Vision of Division 16 Reptilia 17 New York City Cops 18 Take It or Leave It



Mais informações www.facebook.com/thestrokes www.thestrokes.com

Música + Cinema; 'Get On Up - A História de James Brown', de Tate Taylor (2014)

Imagem
Música + Cinema; 'Get On Up - A História de James Brown', de (2014) (Download)

Assim como Não Estou Lá, o filme que mistifica a figura de Bob Dylan para examiná-la enquanto fenômeno, James Brown (Get On Up, 2014) também tenta refazer o trajeto do seu biografado a partir de retalhos sem ordem cronológica. James Brown como velho louco nos anos 80, como órfão de lar partido, como inventor e disseminador do funk nos anos 60 e 70, como promessa gospel em 1950, como Padrinho do Soul - tudo ao mesmo tempo. Ao contrário do longa de Todd Haynes, porém, que removia de cena a figura de Dylan, ao transformá-lo em muitos, o diretor Tate Taylor faz de James Brown a repetição de uma única silhueta. Em Não Estou Lá, Dylan existia de fato enquanto fenômeno, impregnava as coisas que tocava, os lugares que visitava. Em James Brown o que temos é o descontexto, uma figura que transita de lugar a outro como um fantasma mutante, e que, ao contrário do James Brown real, não parece deixar rastros por on…

Strange Names (Minneapolis, USA)

Imagem
Strange Names (Minneapolis, USA)
O Strange Names é uma daquelas bandas pra te animar quando a noite cai e o telefone não toca. Eles são um trio de Minneapolis especializado em um pop ensolarado e dançante. Uma pitada de Avant-Garde Nw Wave de XTC, B-52's e Talking Heads com o pop descartável de Human League e Pet Shop Boys.

Confira a página da banda no Soundcloud, que inclui todo o EP de estréia da banda, lançado esse ano.



Mais informações;

https://www.facebook.com/strangenamesmusic http://www.strangenamesmusic.com/

Shows Completos; U2, ao vivo no festival de Glastonbury, 2011

Imagem
Shows Completos; U2, ao vivo no festival de Glastonbury, 2011
Depois de anunciados como grande atração do aniversário do festival, em 2010, a banda teve que cancelar a sua primeira aparição por lá devido a problemas de saúde de Bono. Em 2011, porém, a banda veio em grande estilo, comemorando os vinte anos do seu vital álbum 'Achtung Baby'. O set reflete isso, com algumas canções desse álbum abrindo o show. Mesmo assim, houve espaço para os clássicos, eu uma apresentação emocionante. Confira;

Setlist;

01. Even Better Than The Real Thing (New Mix)
02. The Fly
03. Mysterious Ways
04. Until the End of the World
05. One

06. Where the Streets Have No Name
07. I Will Follow
08. I Still Haven't Found What I'm Looking For
09. Stay (Faraway, So Close!)
10. Beautiful Day
11. Elevation
12. Get On Your Boots
13. Vertigo
14. Sunday Bloody Sunday
15. Bad
16. Pride (In the Name of Love)




Discoteca Básica; 'Truth', Jeff Beck (1968)

Imagem
Discoteca Básica; 'Truth', Jeff Beck (1968)
Swinging London, 1968. Em um cenário musical efervescente, dominado pelas cores psicodélicas dos Beatles em Sgt. Pepper's - lançado no ano anterior - e das guitarras delirantes de Hendrix e Syd Barrett, surge outra referência capital para os futuros rumos do rock: Truth, um disco com profundas raízes no blues e no soul, mas ao mesmo tempo embebido do espírito alucinado da época. A principal ferramenta utilizada para forjar o tesouro foi a guitarra paranoica de Jeff Beck.

Autodidata, egocêntrico, pioneiro, temperamental, maníaco - muitos foram os adjetivos usados para tentar qualificar esse autêntico anti-herói da guitarra. Porém, todos eles acompanhavam um único substantivo: gênio. Tudo começou quando Beck - por recomendação de Jimmy Page - foi chamado para substituir Deus - ou seja, Eric Clapton, um dos mais conceituados guitarristas da época - nos célebres Yardbirds.

Beck esteve no grupo por pouco tempo e, ao deixá-lo, conheceu o …

Música + Cinema; 'Sound City' (2013) (Download)

Imagem
Música + Cinema; 'Sound City' (2013) (Download) Fleetwodd Mac, Rick Springfield, Johnny Cash, Neil Young, Billy Joel, Tom Petty, Cheap Trick, REO Speedwagon, Fear, Dio, Rob Halford, Ratt, Guns And Roses, Nirvana, Red Hot Chili Peppers, Frank Black and the Catholics, Nine Inch Nails, Queens of the Stone Age, Rage Against the Machine… O que todos estes grupos e artistas têm em comum? Uma das respostas possíveis é que todos tiveram algum disco registrado no estúdio Sound City. Situado na cidade de Los Angeles, o local funcionou desde o final dos anos 1960 até 2011, quando não aguentou a concorrência gerada pelos modernos equipamentos eletrônicos (que permitem até que você faça um álbum dentro de seu próprio quarto), e acabou fechando definitivamente. O líder do Foo Fighters, o cantor e guitarrista Dave Grohl, também gravou no Sound City. Como baterista do Nirvana, Dave registrou lá o mítico Nevermind (1991), álbum que mudaria não só a vida do músico, mas do próprio rock alternativo,…

As Favoritas de... Sharon Van Etten

Imagem
As Favoritas de... Sharon Van Etten
Sharon Van Etten, 34 anos, é de Nova Jersey, a filha de uma professora de história e um programador de computador apaixonados por músicas. Ela começou a escrever seu próprio material quando namorava alguém que constantemente a criticava por tocar e cantar; ela acabou por se mudar para o Tennessee, escapou da baixa auto-estima e escreveu seus três primeiros álbuns sobre ele. 

Confira essa pequena lista de canções que  mudaram sua vida.
Se quiser conferir o texto original (em inglês), clique aqui.
'Unchained Melody', The Righteous Brothers (1965)


'Passionate Kisses', Mary Chapin Carpenter (1993)



'It’s a Shame About Ray', The Lemonheads (1992)



'Two-Step', Low (1999)



'And No More Shall We Part', Nick Cave and the Bad Seeds (2001)


Favoritos da Casa; Alabama Shakes (Athens, Alabama, USA)

Imagem
Favoritos da Casa; Alabama Shakes (Athens, Alabama, USA)


Ouvir músicas nos últimos anos tem sido uma experiência initerrupta de deja vú; Tudo é muito algo que já foi muito antes. Antigamente, a cada dez anos, tinhamos as referências sendo voltadas para vinte anos antes. Duvida? É só pegar a década de sessenta e o seu revival do blues e country dos anos 40, os anos 70 copiando o glamour visual dos anos 50. Os anos 80 com seu pop-chiclete diretamente tirado da década de 60, os 90 e sua reverência ao Hard Rock e ao Punk dos 70 e, finalmente, os anos 2000, moldados pelos 80. Mas nesta nova década, tem sido difícil estabelecer alguma conexão, até porque, mantendo a lógica, voltaríamos aos 90. Neo Grunge? Lo-Fi? Eletronico? Mas, ao invés disso, o que temos visto é uma volta ao todo, como se todas as décadas passadas tivessem seu lugar nesse imenso mundo de músicas de barreiras quebradas. É fácil achar referências aos 50 (Laine Lane), 60 (Stripes), 70 (Black Keys), 80 (Horrors, F…