Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2015

Desconstruindo o Pop! Playlist 85; 'Some people say little girls should be seen and not heard...'

Imagem
Desconstruindo o Pop! Playlist 85; 'Some people say little girls should be seen and not heard...' (A tribute to women in music)
Tracklist;
01. 'Since You've Been Gone', Aretha Franklin 02. 'Rapture', Blondie 03. 'Metal Heart (Jukebox Version)', Cat Power 04. 'Next Door to the Blues', Etta James 05. 'Make You Move', The Delgados 06. 'Mercy Street', Fever Ray 07. 'Just Walk in My Shoes', Gladys Knight & The Pips 08. 'Tell Me Now So I Know', Holly Golightly 09. 'Cheap and Cheerful', The Kills 10. 'Mood Swing', Luscious Jackson 11. 'Baby Blue', Martina Topley-Bird 12. 'What Have You Done, My Brother?', Naomi Shelton & The Gospel Queens 13. 'Rid of Me (Live Sessions 99)', P.J. Harvey 14. 'Out in the Streets', The Shangri-Las 15. 'Shakin' All Over', Wanda Jackson 16. 'Strangelove', Bat For Lashes 17. 'Earth Intruders', Björk 18. 'Give Out', Sha…

Música + Cinema; 'Whatever Happened, Miss Simone?' (2015), de Liz Garbus (Download)

Imagem
Música + Cinema; 'Whatever Happened, Miss Simone?' (2015), de Liz Garbus (Download)
Nina Simone foi uma das artistas mais poderosas e influentes da sua época, mas, ao mesmo tempo, era uma pessoa comum como eu e você: com dúvidas, inseguranças, incertezas e frustrações. É exatamente este lado humano que o documentário What Happened, Miss Simone?, dirigido por Liz Garbos, produzido pelo Netflix e disponibilizado para seus assinantes nesse final de semana, aborda com tanto respeito. Com relatos de seu ex-marido, sua filha, amigos de banda e de vida, o documentário narra a vida de Nina desde sua infância pobre na Carolina do Norte – quando ainda se chamava Eunice Waylon – a ascensão e queda de sua carreira na década de 60, até o fim de sua vida na França. O retrato é de uma artista brilhante, inteligente, criativa e altamente sensível a tudo que acontecia a sua volta. Nina Simone era conhecida por ser uma mulher independente, decidida e de pulso firme, com uma personalidade marcante q…

FingerFingerrr (São Paulo, Brasil)

Imagem
FingerFingerrr (São Paulo, Brasil)

Em algum lugar entre o esporro e o senso estético apurado, está o FingerFingerrr. A dupla faz um som sujo e lindo. Visualmente impecáveis (no pior sentido) e com dois anos de bagagem, eles já realizaram algumas rondas pela América, incluindo ai o SxSW – maior festival de musica independente do mundo, realizado em Austin, Texas. Para 2015, o FingerFingerrr planeja mais uma turnê pelos EUA, com passagem por diversas cidades, além de gravar seu disco de estreia.

Foto por Daniela Ometto (https://www.facebook.com/Daniela-Ometto-Fotografia-241286915936258/)
Confira 'Buck You';



Mais informações;
http://fingerfingerrr.bandcamp.com/ https://www.facebook.com/fingerfingerrr
https://soundcloud.com/fingerfingerrr

Discoteca Básica; 'Every Picture Tells a Story', Rod Stewart (1971)

Imagem
Discoteca Básica; 'Every Picture Tells a Story', Rod Stewart  (1971)
Poucos cantores de rock fizeram jus ao adjetivo "visceral" tanto quanto Rod Stewart. Mais que Robert Plant, Paul Rodgers ou Mick Jagger, ele soube absorver a urgência e o feeling de mestres negros americanos - como Sam Cooke - em um estilo pessoal, forjando uma voz fuliginosa e imediatamente reconhecível.
Hoje, quem o vê colecionando Lamborghinis talvez não suspeite de suas origens. Nascido em uma típica família working class londrina, mas orgulhosa da ascendência escocesa, ele se virou como pôde na adolescência: foi jornaleiro, coveiro, ergueu cercas e até jogou futebol. Mas sua paixão era mesmo a música. Foi por causa dela que Rod passou dois anos vagando como busker pela Europa, ocasião em que aprendeu a tocar banjo e a cantar.
De volta à Inglaterra, em meados dos anos 60, com a ascensão da cena do rhythm'n'blues, integrou bandas como Jimmy Dowell And The Five Dimension, The Hoochie Coochie …

Desconstruindo o Pop! Playlist 84; 'Romantic and Squared'

Imagem
Desconstruindo o Pop! Playlist 84; 'Romantic and Squared'
Tracklist;
1. 'Broken', Should 2. 'Honey', Matthew Dear 3. 'The Shade', Metric 4. 'Romantic and Squared', The Aswering Machine 5. 'Drug', White Denin 6. 'But I Do Mind', Ace Bushy Striptease 7. 'Threads', Evans the Death 8. 'Milkman', EMA 9. 'Easy Easy', King Krule 10. 'The Pronographer', Parenthetical Girls 11. 'Money bags', Mr. Dream 12. Into the Trees', Still Corners 13. 'Go', Wildhouse 14. 'Oh! What Have You Done?', Twisted Wheel 15. 'Bedroom Eyes', Dum Dum Girls 16. 'Put the Days Away', Sun Airway 17. 'Under my Nose', Fucked Up 18. 'Leaves me Cold', Ceremony 19. 'Analog or Digital', Wildlife Control 20. 'Horizon', The Drift

'Romantic and Squared' from marcioguariba on 8tracks Radio.

Disco da Semana; 'Currents', Tame Impala (2015)

Imagem
Disco da Semana; 'Currents', Tame Impala (2015)

Não demorou quase nada para que o Tame Impala tomasse um avião para fora da Austrália e começasse a ocupar palcos cada vez maiores e mais importantes na Europa, nos Estados Unidos e até na América do Sul (embora não tenham se apresentado ainda para uma vultuosa plateia em terras brasileiras, já fizeram três shows por aqui). Antes de saírem da Austrália, a internet contribuíra para que as músicas de Innerspeaker (2010) ganhassem admiradores da volta psicodélica ao rock que o álbum propunha.
Foi em um festival de verão americano, exibido pelo YouTube, que vi o Tame Impala ao vivo pela primeira vez. De cabelos soltos colados no rosto por causa do vento, com um belo timbre de voz e os sons viajantes da turnê de Lonerism (2012), Kevin Parker, o frontman da banda, lembrava muito um jovem David Gilmour tocando e cantando para ninguém no clássico show do Pink Floyd nas ruínas italianas de Pompéia. E há algo de Pink Floyd mesmo no som do Ta…

Desconstruindo o Pop! Playlist 83; 'Please allow me to introduce myself, I'm a man of wealth and taste....'

Imagem
Desconstruindo o Pop! Playlist 83; 'Please allow me to introduce myself, I'm a man of wealth and taste....'
Tracklist; 
1. 'Heart Attack and Wine', Screamin' Jay Hawkins 2. 'Money', The Sonics 3. 'I'm a Man', Bo Diddley 4. 'Gimme Danger', The Stooges 5. 'Tommy Gun', The Clash 6. 'Supervixen', Garbage 7. 'Time Bomb', Rancid 8. 'This Charming Man', The Smiths 9. 'Revolution Blues', Neil Young 10. 'Mercy, Mercy', The Rolling Stones 11. 'Sophisticated Boom Boom', The Shangri-Las 12. 'Chain Gang', Sam Cooke 13. 'Waiting for the End of the World', Elvis Costello & The Attractions 14. 'The Shape of Things to Come', The Ramones 15. 'Mama Doncha Think I Know', John Lee Hooker 16. Mama', Annette Poindexter & The Pieces of Pace 17. 'Dachau Blues', Captain Beefheart & His Magic Band 18. 'Lonesome Cowboy Bill', The Velvet Underground 19. 'Dead&…

Discoteca Básica; 'Rocks', Aerosmith (1976)

Imagem
Discoteca Básica; 'Rocks', Aerosmith (1976)
O ano de 76 foi um divisor de águas no calendário do rock. Os primeiros acordes do punk marcaram a ruptura com o passado de um gênero que evoluiu além de suas medidas. Mas nem todos os grupos que surgiram no início da década ou antes, haviam virado dinossauros ou então trocado a rebeldia por aquelas soníferas progressões sinfônicas.  Herdeiro direto do passado do Led Zeppelin e dos Rolling Stones, o Aerosmith estava disposto a manter viva a tradição, com sua orgia de rock/adrenalina unindo seus amplificadores envenenados a distorções nos últimos limites.

O grupo surgiu em 70, como o trio Chain Reaction, em New Hampshire, EUA. Era composto por Steven Tyler (que na época era o baterista), Joe Perry (guitarra) e Tom Hamilton (baixo). ComTyler assumindo os vocais e a adição de Brad Whitford (segunda quitarra) e de Joey Kramer (bateria), eles encontraram a formação definitiva, que foi modelar seu som numa base que unia rock, blues, country,…

Desconstruindo o Pop! Playlist 82: "It's a great thing when you realize you still have the ability to surprise yourself..."

Imagem
Desconstruindo o Pop! Playlist 82: "It's a great thing when you realize you still have the ability to surprise yourself..."
Tracklist;
1. 'Your Love is Like the Morning Sun', Al Green 2. 'You Belong to Me', The Flat Duo Jets 3. 'I Need a Man to Love', Janis Joplin  4. 'Born to Die', Lana Del Rey 5. 'Moodswing Whiskey', Jeff Buckley 6. 'Don't Let me be Musunderstood', The Animals 7. 'Desillusion', Badly Drawn Boy 8. 'The One I Love', R.E.M. 9. 'Transformer Man', Neil Young 10. 'Hyacinth House', The Doors 11. 'The First Song', Band of Horses 12. 'Sparks', Beach House 13. Coming Up Roses', Elliot Smith 14. 'The Good Humor Man He Sees Everything Like This', Love 15. 'Chest of Crawers', Daniel Lanois 16. 'Elegie', Patti Smith 17. 'Little Queen Bee', Slim Harpo 18. 'You Made Me Love', Screamin' Jay Hawkins 19. 'As Still As I Watch Your Grave',…

O maravilhoso mundo das capas de disco; 'The Beatles' ('The White Album'), The Beatles (1968)

Imagem
O maravilhoso mundo das capas de disco; 'The Beatles' ('The White Album'), The Beatles (1968)


Há muitos rumores em torno desta capa desde o seu lançamento em novembro de 1968, Muitas delas, distorcidas. Mas, mesmo passado tantos anos, há muito o que se saber sobre essa capa limpa e, aparentemente, sem sentido.
O disco é um álbum duplo, com uma capa gatefold totalmente em branco, com o nome "The Beatles" em alto-relevo em Helvetica. Todos os exemplares foram contados com um selo, os quatro primeiros exemplares pertemcem aos membros da banda. Meio contrariada, a gravadora EMI acabou aceitando essa imposição da banda, especialmente de Paul McCartney, pelo menos nas primeiras prensagens.
Na parte interna, quatro fotos minimalistas, em perto e branco, dos quatro integrantes da banda, separados. Cada um na sua. As fotos sugerem claramente o estágio que o Fab Four se encontrava na época; Quatro indivíduos que não formavam mais uma banda. Esse é o espírito que permeia o…

U.S. Girls (Toronto, Canada)

Imagem
U.S. Girls (Toronto, Canada)
Bem falada no circuito Indie canadense, Meg Reimy, a mulher por trás do projeto U.S. Girls, está prestes a sair do anonimato e trilhar um caminho que, provavelmente, será comparado ao Grimes, Tune Yards e St. Vincent.

Ela assinou com a icônica gravadora 4AD (Pixies, My Bloody Valentine) e vai destilar seu som estranho e angustiante.
Vamos com 'Damn That Valley' , faixa de estréia pelo selo.


Mais informações;
https://usgirls.bandcamp.com/