Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2014

Cheatahs (Londres, Inglaterra)

Imagem
Cheatahs (Londres, Inglaterra)


Apesar dos britânicos do Cheatahs estarem sendo muito hypados nos sites e revistas de música (principalmente os ingleses, é claro), pouca informação consegue ser tirada a respeito dos caras. O quarteto é formado por Danny Baskerville (Vocais e guitarra), Daniel Fuller (Guitarra e vocais), Paul Gryckiewicz (Baixo) e Tom Green (Bateria). O som da banda é caucado no Indie do início dos anos 90; Coisas como Teenage Fanclub, Charlatans, Blur e, claro, nas origens desse estilo; The Jam, Buzzcocks, etc...
A banda já lançou alguns EP's e singles desde 2012 e vem com álbum completo esse ano. Promessa pra ficar de olho.
Fiquem com o vídeo de 'Cut the Grass', o primeiro single, e com a página do Soundcloud para ouvir outras faixas;





Mais informações;

http://cheatahs.net/
https://www.facebook.com/thecheetahs
www.cheetahsuk.co.uk/

Discoteca Básica; 'London Calling', The Clash (1979)

Imagem
Discoteca Básica; 'London Calling', The Clash (1979)

Três anos depois do verão punk, o establishiment pop ainda lambia suas feridas. Aqueles Sex Pistols de Malcoln McLaren eram uma brincadeira de mau gosto? E - impensável - se eles fossem importantes, mesmo sendo uma brincadeira de mau gosto? Aliás, se tudo aquilo fosse importante exatamente por ser uma brincadeira de mau gosto?
Desde os Beatles, os 60 e a politização/psicodelização do rock, a indústria não via questões tão profundas e tão graves ameaçando as regras do (seu ) jogo. A primeira metade dos 70 trouxe uma paz confortadora, em que bons negócios eram possíveis com um mínimo de tumultos e confrontos. A indústria tinha um produto de aceitação certa e imediata, e os consumidores pareciam felizes. Por que e de onde vinha essa insurreição?
E que momento péssimo haviam escolhido para atacar: exatamente quando, dos clubes gay underground, a disco music avançava sobre as hordas de adolescentes. Mas o pior ainda estav…

Eu Vi... "Cidade de Deus" de Fernando Meirelles (2002)

Imagem
Eu Vi... "Cidade de Deus" de Fernando Meirelles (2002)
Existe várias formas de nós encararmos 'Cidade De Deus'; Um relato, um testemunho, uma revolução, um martírio, um oportunismo. UM PUTA FILME...

Sim, quer queiram ou não, o filme é tudo isso, de bom e de ruim, de acertos e tropeços. Transforma o drama de uma chaga aberta no Brasil há anos em um veículo videocliptíco das mazelas, das bondades, das vidas incomuns, como a de uma pessoa que nasceu presa na sua própria incapacidade de melhorar, e nas histórias cotidianas de quem só quer ser alguém na vida.

O ritmo dita a sua emoção. No começo, com todo tipo de escudo preparado para vermos um filme violento e sério, somos jogados á uma história leve, romântica, por demais engraçada ás vezes. Quando nos acostumamos com esse ritmo, vemos aquela pobre criança ranhenta implorando pelo o que não conhece. Vemos a vida do comparsa do vilão ser tirada só por ele ser pentelho (e como era...). Onde está a risada agora?

Da luz da praia…

Música para Sentir; 'I Might be Wrong', Radiohead (2001)

Imagem
Música para Sentir; 'I Might be Wrong', Radiohead (2001)

Um homem deformado. Com duas caras. Uma bonita, uma feia. Qual é a real?
Qual devo escolher? O sonho lúcido ou a realidade irreal.

Eu devo estar errado. Eu só posso estar errado!

Acordar pela manhã e se ver na televisão. Dublado!

Pelo menos, na pele do Tom Cruise.

Chorar e receber o consolo de um ombro.

Ali, eu assisti que no no funeral as pessoas sentirão sua falta. Você será lembrado pelo que um dia julgou correto. O lado bonito do seu rosto estará exposto e as marcas irão embora.

Mas eu devo estar errado.

No bar, todos se calam quando eu mando. No mundo, tudo se curva a minha vontade. Devaneios de um rei. Um rei sem reino.

Só posso estar errado... Ou então, os desfiladeiros já teriam caído. Ombros cansados. Paranóias. Visões de monstros cabeçudos falando como crianças.

Um céu de baunilha. Uma capa de disco. Uma canção de amor. Tudo prometendo que será perfeito. Queria saber sonhar.

O que você escolheria? Viver a realidade distorc…

Honeyblood (Glasgow, Escócia)

Imagem
Honeyblood (Glasgow, Escócia)

O Honeyblood é uma dupla de garotas de Glasgow, Escócia; Stina Tweeddale, nos vocais e guitarra e Shona McVicar, na bateria e nos vocais. A banda começou no início de 2012 e, desde então, já lançaram dois EP's que exalam aquele Indie-Pop da virada dos anos oitenta para os noventa. É uma das preferidas aqui da casa e vale muito a pena uma conferida.
Confira o vídeo de 'Bud', a preferida da casa, e a página da dupla no Soundcloud;



Mais informações
http://www.theguardian.com/music/2013/oct/31/honeyblood honeyblood.bandcamp.com/‎ www.fat-cat.co.uk/site/artists/honeyblood‎ https://www.facebook.com/honeybloodeatitup

Discoteca Básica; 'Too Much Too Soon', The New York Dolls (1974)

Imagem
Discoteca Básica; 'Too Much Too Soon', The New York Dolls (1974)

Uma garagem, guitarras, baixo e bateria: rock simples e direto, tocado muito alto, pegando na veia. Esta história começou durante os anos 60 com o surgimento de inúmeras bandas americanas em resposta à "invasão britânica" capitaneada pelos Beatles e os Stones, baseadas em um despojamento musical que se cristalizaria no som demencial de grupos como o Velvet, os Stooges e o MC5. Serviu de estopim para a explosão do punk em 76 e continua a ser contada até hoje, através de sua influência em diversas tendências do rock contemporâneo. Esta história tem um capítulo especial reservado para as "bonecas de Nova York".

No visual, os Dolls levavam às últimas conseqüências - beirando o escracho total - a androginia sugerida pelo glitter que se projetava nas figuras de David Bowie e Marc Bolan: maquilagem pesada, bijuterias e roupas femininas. Em termos musicais, foram essenciais no processo de criação de uma…

Eu Vi... Especial Clássicos da Sessão da Tarde

Imagem
Eu Vi... Especial Clássicos da Sessão da Tarde
Que atire a primeira pedra quem nunca se deliciou à frente da tv em um dia da semana qualquer assistindo aos inocentes filmes da sessão da tarde. ‘E verdade de que muito do que vai ao ar não vale nem a película onde foram gravados. Mas existem alguns filmes, especialmente da década de 80, que valem a pena serem vistos e revistos, apesar da inocência latente e, também por vezes, da estética “over” da década:


Conta Comigo (Stand By Me) -1996

Clássico absoluto da sessão da tarde, conta a historia de um bando de garotos de 12 anos que saem em uma grande aventura pelos trilhos do trem para encontrar o cadáver de um menino da idade deles. Baseado em uma novela da Stephen King, o tom da narrativa ‘e dado pelo sensível e futuro escritor Gordie Lachance (Wil Wheaton), que nos conta o relato já adulto. Alem de ser uma bela obra de King, (responsável, entre tantos outros, pelo texto de O Iluminado), o filme projetou a carreira de dois meninos que viria…

Blessa (Sheffield, Inglaterra)

Imagem
Blessa (Sheffield, Inglaterra)
Combinando um som que lembra o Showgaze do início dos anos noventa com guitarras e vocais etéreos oitentistas, o Blessa faz um Pop atmosférico e completamente apaixonante. O quinteto de Sheffield, no norte da Inglaterra, só colocou algumas faixas online até agora e um lançamento completo é esperado para esse ano. 
Formado por Liv Neller , Robert Piercy , Andy Piercy , Alex Burton e Jake Murray, a banda é recém-saída da Universidade de artes da cidade só começaram a fazer música juntos quando a maioria deles se formou em julho do ano passado. E o frescor da música da banda é empolgante. 
Música para batidas de coração. Confira o vídeo oficial de 'Between Times' e a página do Soundcloud para as outras canções. Prestem bastante atenção neles.





Mais informações;
https://www.facebook.com/BLESSABLESSA

Discoteca Básica; 'Talking Heads:77', Talking Heads (1977)

Imagem
Discoteca Básica; 'Talking Heads:77', Talking Heads (1977)
Uma história verdadeira: era uma vez uma banda que, sem sombra de dúvida, merecia ter os seus quatros primeiros álbuns em qualquer lista de "melhores de todos os tempos". Sob este aspecto, além de sua formação relativamente recente, este fato se tornaria ainda mais incrível ao constatar-se que seus membros - depois de incursões solo e/ou com outros músicos e grupos - voltariam a se reunir para apresentar durante a década seguinte um sólido trabalho que, se já não possuía o mesmo teor inovador de sua fase anterior, ainda primava pela coesão e integridade.


Pois bem... O nome desta banda era Talking Heads e os álbuns acima citados intitulavam-se "77, More Songs About Building and Food" (1978), "Fear of Music" (1979) e "Remain in Light" (1980). Estes três últimos LPs, porém, já contavam com as mãos do "não-músico" Brian Eno na produção. Eno, que anteriormente havia produzido …

Eu Estava Lá... Céu (Citybank Hall, São Paulo - 12/08/2010)

Imagem
Eu Estava Lá... Céu (Citybank Hall, São Paulo - 12/08/2010)
Há alguns meses, eu e minha esposa estamos viciados no segundo disco de Maria do Céu, ou só Céu. "Vagarosa", lançado em 2009 é o que eu posso chamar de "Nosso Trip Hop"; Mescla muito Dub, Reggae e Samba com batidas de Jazz e scratches de Hip Hop. Sua voz, que por muitas vezes escorrega para mais um clone de Elis Regina, foge desesperadamente desse meio comum justamente nesses estilos. Não é MPB comum. Pode ficar tranquilo...

Ontem foi o primeiro show dela em São Paulo depois de uma turnê pelo exterior e a casa estava falsamente lotada, já que uma das partes estava fechada e mesas e cadeiras davam a sensação de lotação. Se todos pudéssemos ficar de pé, com certeza teríamos ficado todos bem de frente a cantora. Coisa que teria sido muito bom... Explico;
Céu é desajeitadamente sexy. Ainda mais num apertado mini-vestido. Os cabelos desgrenhados e a voz de veludo aumentam o clima de sedução. Ela ainda está pouco c…

Eu Vi... "A Origem", de Christopher Nolan

Imagem
Eu Vi... "A Origem", de Christopher Nolan (2010)

Assistir "A Origem", novo "petardo" de Christopher Nolan foi a prova de que a arte ainda pode fazer sentido no mundo pop; Isso mesmo, ARTE, com letras maiúsculas.

Li várias resenhas antes de ir ao cinema nesse final de semana (sala lotada, por sinal...) e na maioria, o pau comeu... Muita gente não entendendo lhufas de nada, criticando a complexidade da história. Seus "excessos". Li em algum lugar que esse filme era a representação do rock progressivo dos anos 70... Camadas, climas e catarses prolongadas... Não deixa de estar certo.

Mas, na contramão desse comentário, acho que ser tratado como um ser pensante comendo pipoca não faz mal a ninguém. É cinemão sim. Grandiloqüente, envolvelte e barulhento... Mas também é sentimental, inteligente e esteticamente perfeito. É como seria se comendo junk food você pudesse ter um corpo perfeito. Giló com sabor de chocolate. Ou vice-versa, se você não gosta da mí…

Phox (Baraboo, Winconsin)

Imagem
Phox (Baraboo, Winconsin) 
O Phox é um quinteto da cidade de Baraboo, Winconsin, que faz um som Indie extremamente delicado e calmo para se ouvir. A primeira referência automatica que temos é 10.000 Maniacs, banda que teve certa popularidade nos anos noventa. Formada por Jason Krunnfusz (guitarra), Monica Martin (vocal), Matthew Holmen (baixo), Zach Johnston (guitarra e vocais), Matteo Roberts (teclados) e Davey Roberts (bateria), a banda lançou seu primeiro disco, auto-intitulado, saiu em junho último e já vem recebendo elogios. Confira o vídeo do single de 'Slow Motion' e uma apresentação em estúdio com a faixa 'Evil'.



Mais informações;
http://en.wikipedia.org/wiki/PHOX http://phoxband.com/home/

Discoteca Básica; 'Chelsea Girl', Nico (1967)

Imagem
Discoteca Básica; 'Chelsea Girl', Nico (1967)
Manhã de 18 de julho de 1988, Ibiza. Nico, a femme fatale do Velvet Underground, estava morta. Vítima de uma hemorragia cerebral após uma queda de bicicleta. Às vezes, a vida prega peças extremamente irônicas. Justamente ela, uma notívaga por excelência, alcoólatra e junky, despede-se num ensolarado passeio matinal. No dia seguinte, em Berlim, o cobiçado corpo de Christa Paffgen estava cremado. A idade e a nacionalidade de Nico (um anagrama de icon) é tema de discussão, pois uns dizem que ela nasceu em outubro em Colônia, (Alemanha) em 38 ou 44, enquanto outros afirmam que foi em março em Budapeste (Hungria), em 43.
Dúvidas à parte, sabe-se que a incursão musical dessa modelo e atriz (sua primeira aparição cinematográfica foi no filme La Dolce Vita, de Fellini), educada entre a França e a Itália, foi em 64, quando se mandou para Nova York e arrumou emprego como cantora de bar. Conheceu e fascinou Bob Dylan, que levou-a a Andy Wharol,…

Eu Estava Lá... Paul McCartney - Estádio do Morumbi, 22-11-2010

Imagem
Eu Estava Lá...  Paul McCartney - Estádio do Morumbi, 22-11-2010 
Direto ao assunto; O show, com todos os seus prós e contras, foi inesquecível e me fez resgatar o meu amor pela música. Me fez ter certeza que eu nunca vou envelhecer enquanto tiver esse amor dentro do meu coração. Faça sol ou (no caso) faça chuva, eu estarei sempre lá pra reverenciar esses gênios, novos ou antigos, que expressão tudo em poucas palavras e minutos. Pinturas, filmes, roupas, poesias, etc. Nada tem o poder de uma canção pop de três minutos. Ainda mais se ela foi escrita por Jonh Lennon ou Paul McCartney.

Lennon é meu Beatle favorito. Ele é a antítese de Paul; Rebelde, bocudo, antipático e sentimental. Escrevia com o coração á frente da técnica e do raciocínio de fazer hits. Macca é exatamente o oposto disso. E esse 'pacote' esteve perfeitamente representado nessa turne "Up And Coming", que eu tive a honra de presenciar ontem á noite no Morumbi.

Voltando um pouquinho; Tudo estava jogando cont…