Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2014

Nick Hornby, "O tempo todo do mundo"

Imagem
Nick Hornby, "O tempo todo do mundo"
(Texto publicado originalmente no jornal 'A Folha de São Paulo' do dia 21 de agosto de 2005)
O PRÊMIO PARA OS VENCEDORES DO CONCURSO BRITÂNICO "GRUPO DE LEITURA DO ANO" ERA UM FINAL DE SEMANA EM EDIMBURGO. MAS EIS QUE SURGE UM PROBLEMA. OS INTEGRANTES DO GRUPO DE LEITURA VENCEDOR ESTÃO PRESOS. O QUE FAZER? OFERECER A ELES A OPORTUNIDADE DE DISCUTIR UM ROMANCE COM SEU AUTOR. E NICK HORNBY ENTRA EM CENA.NICK HORNBY
O primeiro integrante do grupo de leitura High Down a chegar à biblioteca da penitenciária é Francis, um cinqüentão com certo sotaque italiano. Ele tem dois livros nas mãos; um deles é o meu romance "A Long Way Down" [Ladeira Abaixo], objeto de discussão do encontro de hoje, o outro é o clássico "romance de formação" para garotas adolescentes "I Capture the Castle" [Minha Conquista do Castelo], de Dodie Smith.
"A senhora tinha razão, é um romance adorável", diz Francis ao devo…

Disco(s) da Semana; 'Da Lama Ao Caos' (1994) e 'Afrociberdelia' (1996), Chico Science & Nação Zumbi

Imagem
Disco(s) da Semana; 'Da Lama Ao Caos' (1994) e 'Afrociberdelia' (1996), Chico Science & Nação Zumbi: A banda iniciou, ao lado do Mundo Livre S/A, o chamado 'Movimento Mangue Bit', em Recife em meados de 93. E entre cervejas e viagens sobre cultura pop, o primeiro rebento do manifesto veio com uma série de textos, de idéias meio Willian Burroughs, meio Beatnik, uma viagem misturando eletrônica e barro, antenas parabólicas e feiras populares.

Mas, isso era motivo para tanto alarde?

Bom, se você olhar para o outro ponto zero do chamado movimento, o disco 'Samba Esquema Noise', do Mundo Livre, 'Da Lama Ao Caos' é menos pop, mais contemporâneo, modernoso e preocupado em ser uma novidade.

Enquanto Fred 04 formatavam seu som numa mistura de MPB, de Jorge Ben, com rock e ritmos nordestinos, A Nação já nasceu do mundo; Os vocais de embolada remetem ao hip hop e as batidas de maracatu ao transe do drum n' bass. Mesmo com alguma preocupação pop, aqui r…

Exclamation Pony (Brooklyn, Nova Iorque)

Imagem
 Exclamation Pony (Brooklyn, Nova Iorque)
Duas figurinhas carimbadas do underground novaiorquino juntam forças para o projeto Exclamation Pony; Ryan Jarman, do Cribs e Jen Turner, baixista do Here We Go Magic. O som é um Pop 60's cru e básico. Ótimo pras pistas de dança Indie.
O duo é apadrinhado por Julian Casablancas, vocalista do Strokes e agora dono do selo Cult Records, que além do Exclamation Pony, já assinou com outras três bandas que logo falaremos por aqui.
Por enquanto, fique com o vídeos de 'Pseudo Individual' e o EP 'Rumours' completo no Soudcloud da dupla;



Mais informações;

https://www.facebook.com/ExclamationPony

https://twitter.com/ExclamationPony
exclamationpony.cultrecords.com/

Discoteca Básica; 'Forever Changes', Love (1967)

Imagem
Discoteca Básica; 'Forever Changes', Love (1967)

Com o neopsicodelismo inglês, que vem desde a passagem da década (Echo & the Bunnymen, Teardrop Explodes, Monochrome Set) e até a recente consolidação das bandas assumidamente regressivas (Primal Scream, Weather Prophets, Primitives, Brilliant Corners, Razorcuts, Mighty Lemondrops, Shamen) - onde reconstitui-se com uma nova roupagem a estética dos anos 60 -, uma lado mais obscuro da geração psicodélica passou a ser fortemente reverenciado. Tornou-se fashion rebuscar as melhores doses de inspiração não apenas nos expoentes da West Coast music (Jefferson Airplane, Grateful Dead, Doors) como também nas bandas de folk rock (Buffalo Springfield, Byrds) e em obscuros e insólitos cult groups californianos como H.P. Lovecraft, Strawberry Alarm OÕClock, Spirit e Smoke.



A mais cultuada e reconhecida fonte de idéias, entretanto, foi o Love, grupo criado pelo guitarrista/vocalista Arthur Lee, que em 64 largou sua terra natal (Memphis) e s…

Eu Vi... 'Um Conto Chinês' e 'XXY'

Imagem
Eu Vi... 'Um Conto Chinês' e 'XXY'
"Um Conto Chinês" ("Un Cuento Chino", de Sebástian Borenztein, 2011)
 Mais um filme com Ricardo Darín, ator argentino mais conhecido por aqui, "Um Conto Chinês" é uma comédia light, bem ao estilo do cinema produzido por lá nos últimos dez anos, porém, com menos pegada para o drama, seja ele social ou nostálgico típico de outros, como "O Filho da Noiva", "Nova Rainhas", "O Segredo dos Teus Olhos" e "Clube da Lua", maiores sucessos da carreira do ator. Vale o ingresso, mas sem grandes pretensões. A única conclusão que eu cheguei ao final da sessão é que ninguém fala palavrões como Darín...rss


"XXY" (de Lúcia Puenzo, 2007)
 Outro com Darín no elenco, mas com temática totalmente distinta. Um casal se isola no litoral do Uruguai com sua filha hermafrodita. Já adolescente, a Mãe convida um casal de cirurgiões para conhecê-la, que trazem junto seu filho adolescente. …

Listas; Os Discos de 2011

Imagem
Listas; Os Discos de 2011

Ouvir um disco inteiro hoje em dia é um desafio. Não porque a qualidade decaiu, que é o que muita gente pensa, mas pela quantidade de lançamentos acessíveis. Antes, vários discos permaneciam na obscuridade, hoje, todo mundo indica alguém que indica alguém... E no final, ficamos perdidos com o que ouvir... Mesmo eu, que me considero um antenado com relação ao assunto, me pego com dificuldade de ouvir com atenção á tudo que sai. Fazer uma lista então se torna uma tarefa cruel. Ano passado, por exemplo, coloquei o "High Violet" do National em nono e depois tive de rever a minha posição, simplesmente porque tive tempo de me dedicar a ele... No final das contas, damos um tiro no momento. Esses são os discos de 2011 'hoje'. Amanhã, posso ter tido tempo de ouvir mais alguma coisa, e por aí vai. Por isso que, lá pra junho, julho, faço uma revisão...

Esse ano foi sensacional. Muitos rabugentos de plantão acham que não há nada de interessante, que tudo …

A Grave With No Name (Mt. Jade, Inglaterra)

Imagem
A Grave With No Name (Mt. Jade, Inglaterra)
Mais um nome britânico no nosso radar dos bons sons, o A Grave With No Name, que na verdade, é o projeto solo de Alex Shields faz um som lisérgico e escuro, típico da nova onda, com um pé entre o pós-punk dos anos oitenta e as guitar bands dos noventa. O projeto  tem lançou três álbuns, que formam uma trilogia, e alguns EP's desde o início das atividades, em 2009. O último, 'Whirpol', do ano passado, recebeu elogios da mídia alternativa britânica.
Confira o vídeo de 'Aurora' e a página deles no Soundcloud;






Mais informações;
https://www.facebook.com/pages/A-Grave-With-No-Name/146095038750054 http://www.discogs.com/artist/1692781-A-Grave-With-No-Name

Discoteca Básica; 'Horses', Patti Smith (1975)

Imagem
Discoteca Básica; 'Horses', Patti Smith (1975)
Ao contrário do que muita gente pensa, um ano de grandes discos - "Physical Graffitti", "Natty Dread", "Radio-Activity", "Another Green World" (todos comentados nesta seção), "Live!" (Marvin Gaye), "Siren" (Roxy Music) e "Young Americans" (Bowie). 
Todos estes, porém, de grandes artesãos pop em plena maturidade. O que tem essa estréia de Ms. Smith para entrar de sola, em pé de igualdade com esses (veneráveis) medalhões e virar a mesa? 
Ms. Smith, para começar, não tinha mais nada de verde ou inocente (28 anos no lançamento de "Piss Factory", seu primeiro compacto, independente, em 74). A mitificação "Alta sacerdotisa do punk", que acabaria recebendo, é uma camisa-de-força insuficiente para englobar os 1002 universos de suas obras - musicais e/ou poéticas - e toda a influência sobre a geração posterior. Sem ela, não existiriam nem os Banshees nem…