Discoteca Básica; 'Hot Buttered Soul', Isaac Hayes (1969)

No Comments »


Discoteca Básica; 'Hot Buttered Soul', Isaac Hayes (1969)

Com a guitarra de Steve Cropper, o baixo de Donald "Duck" Dunn, a bateria de Al Jackson e o órgão de Booker T. a envelopar as vozes de Otis Redding, Sam & Dave, Eddie Aoyd, Rufus e Carla Thomas, o selo Stax conseguiu o impossível: hoje, quando se fala em Memphis Sound, ninguém se lembra do rock´n´roll que nasceu naquela iluminada cidade do Tennessee. Som de Memphis, todo mundo sabe, é o soul clássico que todos os commitments da vida perseguem até hoje.

No fim dos anos 60, no entanto, a coisa esta feia para o pessoal do Stax. Depois de perder Otis Redding e quatro dos Bar-Kays num acidente de avião, o selo foi vendido. Para dar a volta por cima, em 1969, a nova direção decidiu lançar 27 álbuns ao mesmo tempo. Entre eles, estava um do qual ninguém esperava nada: Hot Buttered Soul, de Isaac Hayes.

Afinal, o disco tinha apenas quatro faixas, todas longuíssimas, fora do padrão pop: "Walk On By", de Burt Bacharach e Hal David (12 minutos); "Hyperbolicsyllabsesquedalymistic" (9:36), "One Woman" (cinco minutos) e "By The Time I Get To Phoenix", balada de Jimmy Webb com mais de 18 épicos minutos. É bem verdade que Isaac Hayes já tinha dado alegrias à Stax: como tecladista e compositor da casa, fez "Hold On, I´m Coming" e "Soul Man", estouradas por Sam & Dave. Mas seu primeiro disco, Presenting Isaac Hayes, não tinha dado em nada.

Reza a lenda que Hot Buttered Soul foi gravado durante tempos mortos de estúdio. O fato é que, assim que alguém jogou a agulha sobre os sulcos de "Walk On By", os padrões do pop negro começavam a mudar. A orquestração suntuosa, a guitarra cheia de efeitos, as flautas, os backing femininos, tudo se encaixa de maneira maravilhosa para Isaac cair em cima interpretando, da forma mais sentida, o drama do homem que não consegue nem mais encarar o ex-amor.

A segunda faixa, "Hyperbolicsyllabicsesquedalymistic", é uma espécie de jam com o piano improvisando sobre sólida base funk-cortesia dos Bar-Kays. No baixo, brilha James Alexander, o homem que genialmente perdeu o avião da morte de Otis Redding e pôde depois reconstruir os Bar-Kays.

Em "One Woman", balada quase convencional, Isaac emociona encamando um homem vivendo um conflito calhorda: a mulherzinha que "constrói o meu lar" ou a que "me leva a errar"?

"By The Time I Get To Phoenix" é o caminho das pedras pelo qual seguiram Barry White, Teddy Pendergrass, Marvin Gaye e dezenas de outros. "Eu vou falar de amor agora...", começa Isaac Hayes, com voz de veludo. E sobre amor fala durante quase nove minutos antes de começar a cantar. A espera, juro, é mais do que válida. 


Pedro Só (Revista Bizz, edição 133, Agosto de 1996) 

Tracklist;

00:00 Walk On By
12:04 Hyperbolicsyllablicsesquedalymistic
21:45 One Woman
26:57 By the Time I Get to Phoenix


Mais informações;

Desconstruindo o Pop! Playlist 128; 'Calling On Me Lately'

No Comments »


Desconstruindo o Pop! Playlist 128; 'Calling On Me Lately'

Tracklist;

01. 'Burn the Witch', Radiohead
02. 'Desire', Dilly Dally
03. Forget It's a Dream', Communions
04. 'Can't You Feel', Bruising
05. 'Harvard', Diet Cig
06. 'Let's Make This Precious', Dexys Midnight Runners
07. 'Friday Night at the Drive-In Bingo', Jens Lenkman
08. 'How It All Went Wrong', Les Incompétens
09. 'Boys and Girls In Love', The Rumble Strips
10. 'Dark Necessities', Red Hot Chili Peppers
11. 'No News From Home', Houndstooth
12. 'Vacation', Florist
13. 'Wood and Plastic', Breton
14. 'Spiral Steams', The Outs
15. 'Strange Attractor', Animal Kingdom
16. 'Fly By Nights', Viva Brother
17. 'Faded High', Gayngs
18. 'Real Goths', Mode Moderne
19. 'Bronx Sniper', Mister Heavenly
20. 'Drug', White Denim


Música + Cinema; 'God Help the Girl', de Stuart Murdoch (2014) (Torrent Download)

No Comments »


Música + Cinema; 'God Help the Girl', de Stuart Murdoch (2014) (Torrent Download)
Depois de quase uma década alimentando o sonho de fazer um musical ambientado na sua Glasgow natal, Stuart Murdoch, líder da banda escocesa Belle & Sebastian, viu seu primeiro filme como diretor, God Help The Girl, ser recepcionado com aplausos calorosos no Festival de Berlim. A história de três jovens perdidos que são unidos pelo desejo de viver de música abriu a sessão Generation da Berlinale, dedicada para filmes de temática jovem.
God Help The Girl parece uma história não muito incomum a muitos adolescentes de hoje: Eve (Emily Browning) é uma linda e deprimida menina que conhece James (Olly Alexander), tímido, magrelo e sensível, em um show. Os dois ficam amigos, ele se apaixona pela voz e a intensidade da menina recém-saída de uma clínica de reabilitação para tratamento de anorexia. James, obviamente, não é o único admirador da bela cantora e, com o tempo, acaba relegado à temida friendzone. Sem se dar conta dos sentimentos, eles sonham em formar uma banda juntos e são posteriormente acompanhados por Cassie (Hannah Murray), uma menina rica e um tanto excêntrica.
O trio vive dias despreocupados cantarolando sobre suas experiências durante o verão de Glasgow. A música interpretada por Eve, James e Cassie leva a narrativa do filme adiante e tem o mesmo teor de indie rock fofinho do Belle & Sebastian. Os atores (e cantores) principais apresentam uma performance cativante, e fica impossível não se apaixonar por Eve - com seu rosto de boneca e visual de brechó - e seus amigos. Pela atuação, inclusive, eles receberam o prêmio de melhor elenco no Festival de Sundance em janeiro.

God Help The Girl é previsivel e dramático como todas as intensas paixonites da adolescência, mas tem uma trilha sonora contagiante e um belo visual - em algumas cenas, rolam até uns filtros estilo Instagram. Se dá pra traçar uma ambição do filme, é se transformar em uma espécie deGrease indie da atual geração; Murdoch, inclusive, confessou que o musical de 1978 é uma inspiração na vida dele. Isso fica bem claro em uma das cenas mais bacanas do longa, quando a banda tem um de seus primeiros shows em uma festa, momentos antes de James descobrir que Eve está saindo com um bonitão.
No longa, Eve, James e Cassie vivem um verão inebriante e eufórico preenchido pelo desejo de um futuro brilhante em forma de música. A própria ideia do filme surgiu no meio de uma das turnês do Belle & Sebastian, e o longa tem várias experiências do próprio músico como base. Experiências simples do tipo que, cedo ou tarde, todo mundo tem ou vai ter na vida, como aquela sensação de perda da inocência após a primeira desilusão amorosa.
Na plateia de Berlim, formada majoritariamente por jovens, a questão causou um pouco de inquietação: mas como um rapaz que faz tudo pela garota consegue lidar com esse drama? Murdoch, que subiu ao palco no fim da exibição para conversar com o público, tinha a dura resposta na ponta da língua: "Você já se apaixonou alguma vez? As mulheres têm esse poder: elas podem te botar para cima e também para baixo. Especialmente as muitos bonitas".
O Trailer;

Informações do Download;
  • Tamanho: 969 Mb/3.69 Gb (HDRip 720p)
  • HDRip, Avi - Legendado
[HDRip] – Download
[HDRip 720p] – Download

A Trilha;
Tracklist;
1. I Suppose That Was a Prayer
2. Act of the Apostle
3. I Dumped You First
4. Pretty When the Wind Blows
5. I Know I Have to Eat
6. God Help the Girl
7. The Psychiatrist Is In
8. The God of Music
9. If You Could Speak
10. The Catwalk of the Dukes
11. Perfection as a Hipster
12. F**k This Sh*t
13. Pretty Eve in the Tub
14. A Loving Kind of Boy
15. What Do You Want This Band to Sound Like?
16. Come Monday Night
17. Collective Idiocy
18. I'm Not Rich
19. I'll Have to Dance With Cassie
20. Stalinist Russia
21. Baby's Just Waiting
22. Patrick Whistle
23. Musician, Please Take Heed
24. I Just Want Your Jeans
25. Invisible
26. The World's Last Cassette
27. Down and Dusky Blonde
28. Dress Up in You

Mais informações;

Shows Completos; Wilco (Lowlands Festival, Biddinghuizen, Holanda - 19/08/2012)

No Comments »


Shows Completos; Wilco (Lowlands Festival, Biddinghuizen, Holanda - 19/08/2012)

Comemorando a recém anunciada turnê do Wilco pela América do Sul em 2016, vamos com um show completo de umas das melhores bandas surgidas no universo Pop nos últimos vinte anos no festival holandês de Lowlands, em 2012. Uma hora e meia de música para dar esperança a raça humana. 

Confira o set list, e aguce sua vontade de ir ao show;


Via Chicago

Art Of Almost
I Might
I Am Trying To Break Your Heart
One Wing
Bull Black Nova
Side With Seeds
Handshake Drugs
Wishful Thinking
War On War
Impossible Germany
Born Alone
*Laminated Cat
*Radio Cure
*Say You Miss Me
Whole Love
*Box Full Of Letters
*I'm Always In Love
*Heavy Metal Drummer
I'm The Man Who Loves You
Dawned On Me
A Shot In The Arm
*Hummingbird
*Late Greats
I'm A Wheel


(Info, o show não está completo no vídeo. A transmissão cortou as  músicas marcadas)


Girl Band (Dublin, Irlanda)

No Comments »


Girl Band (Dublin, Irlanda)

Se você sustentar o parecer cada vez mais razoável de que indie rock tornou-se muito bonzinho, suave, muito precioso e obcecado pelo o pop, a Girl Band é um antídoto para suas aflições. Se deixer ser atropelado pela gritaria corrosiva desse quarteto Dublinense implacável. A surra só vai amplificar suas más vibrações, mas você vai sair do outro lado acreditando na salvação.

Confira os quase sete minutos do doentio clipe de 'Paul'; 


Mais informações;

Discoteca Básica; 'Fa-tal: Gal a Todo Vapor', Gal Costa (1971)

No Comments »



Discoteca Básica; 'Fa-tal: Gal a Todo Vapor', Gal Costa (1971)


Em 1971, quando rolou o show Vapor Barato, transformado num disco duplo gravado ao vivo no Teatro Tereza Rachel, no Rio, Gal Costa, mais que musa, era a estrela sobrevivente da saga tropicalista. Sob as botas do governo Médici (1969-1974), com os mentores do movimento, Caetano e Gil no exílio, a juventude antenada da época vivia entre a guerrilha e os vapores baratos que subiam dos charos acesos pela oposição lisérgica ao governo. Imantada por Gal, boa parte desta fatia viajante da galera se reunia (no Rio) num trecho da praia da Ipanema repleto de dunas, onde sena construído um emissário submarino de esgoto. Eram as "dunas do barato", ou como se dizia no baianês da época. "as dunas de Gal".

cantora da MPB. Só ela vai dos cochichos de João Gilberto aos urros de Janis Joplin sem trair a Dalva de Oliveira que mora no sentimentalismo deste país de três raças tristes. Vapor Barato, também conhecido por Gal Fatal, é obra-prima. O repertório linka folk ("Fruta Gogóia", "Bota A Mão Nas Cadeiras"), emepebê antepassada ("Assum Preto", "Falsa Baiana") e o sotaque rock da época ("Hotel Das Estrelas", "Como 2 E 2", "Dê Um Rolê"), tudo dentro da atitude marginal que cutucava o sistemão com um jogo de da(r)dos poéticos.

Quase todas as faixas escolhidas têm dupla leitura. Desde o velho samba "Antonico", do genial Ismael Silva, um pedido de auxílio que vinha a calhar naquelas trevas, até os retratos a ferro e fogo da época, escritos por Macalé e Waly Salomão. Além da novo baiana "Dê Um Rolê" ("Enquanto eles se batem/Dê um rolê"), explodem os versos opressos de "Mal Secreto" (Massacro meu medo/Mascaro minha dor"), "Hotel Das Estrelas" ("Sob um pátio abandonado/Mortos embaixo da escada"), "Luz Do Sol" ("Quero ver de novo/A luz do sol") e a faixa-título, "Vapor Barato" ("Eu tou indo embora/Talvez um dia eu volte, quem sabe?"). Reciclada para o sucesso pelo filmaço Terra Estrangeira, de Walter Salles Jr., que fotografa grão a grão o exílio desértico da era Collor, esta música atesta que o país se repete como uma farsa constantemente reescrita.

ao violão até que sua voz de colocação joãogilbertiana (confiram "Falsa Baiana", "Coração Vagabundo"), explode junto com guitarras e microfonias. De "Pérola Negra" às canções do exílio enviadas de Londres por Caetano "Maria Bethânia" e "Como 2 E 2" , Gal cimenta o mito de cantora perfeita. Tem a técnica (por vezes incorpórea) de Elis Regina e a comoção (nem sempre lapidada) de Maria Bethânia. É a rainha do cool drama. Sua voz queima como gelo e corta feito diamante. A emissão límpida convive com a sujeira da rouquidão provocada, o grito preso na garganta e a confidência invasora. O tropicalismo gerou uma cantora fatal. Ou melhor, fa-tal. 

Tárik de Souza (Revista Bizz. edição 132, Julho de 1996) 

Tracklist;

Lado um
  1. "Fruta Gogóia" 
  2. "Charles Anjo 45" 
  3. "Como 2 e 2" 
  4. "Coração Vagabundo" 
  5. "Falsa Baiana" 
  6. "Antonico"
Lado dois
  1. "Sua Estupidez"
  2. "Fruta Gogóia"
  3. "Vapor Barato"
Lado três
  1. "Dê um Rolê" 
  2. "Pérola Negra" 
  3. "Mal Secreto" 
  4. "Como 2 e 2" 
Lado quatro
  1. "Hotel das Estrelas" 
  2. "Assum Preto" 
  3. "Bota a Mão nas Cadeiras" 
  4. "Maria Bethânia" 
  5. "Não Se Esqueça de Mim"
  6. "Luz do Sol"



Mais informações;

Desconstruindo o Pop! Playlist; 127; 'A Long Halloween'

No Comments »



Desconstruindo o Pop! Playlist; 127; 'A Long Halloween'

A fictional movie soundtrack based on the famous Graphic Novel by Jeph Loeb and Tim Sale


Tracklist;

01. 'To Bring You My Love', PJ Harvey
02. 'Lullaby' (Extended Mix), The Cure
03. 'In Dark Trees', Brian Eno
04. 'Ný Batteri', Sigur Rós
05. 'In Your Room' (Jeep Rock Remix), Depeche Mode
06. 'Hammering in my Head', Garbage
07. 'The Day Is My Enemy', Prodigy
08. 'Inertia Creeps', Massive Attack
09. 'Elite', Deftones
10. 'The Mercy Seat', Johnny Cash
11. 'Fell On Black Days', Soundgarden
12. 'Eulogy', Tool
13. 'Face to Face', Siousxie & The Banshees
14. 'Venus in Furs', The Velvet Underground
15. 'Subterraneas', David Bowie
16. 'Carrion Flowers', Chelsea Wolfe
17. 'If I Had a Heart', Fever Ray
18. 'Hearing Damage', Thom Yorke
19. 'Reptile', Nine Inch Nails
20. 'City of Lost Children', Mariane Faithful