Postagens

Postagem em destaque

Música + Cinema; Três documentários... Três bandas

Imagem
Música + Cinema; Três documentários... Três bandas
Documentários são sensacionais. Ponto. É a história contada realisticamente, porém, sempre, obviamente, com um ponto de vista. E documentários sobre musica, pra mim, são sempre mágicos. E aqui estão três exemplares deles.



"Rush - Beyond The Lighted Stage" (de Sun Dunn e Scott McFayden, 2010)

 Há algum tempo atrás, li uma resenha sobre esse documentário escrita pelo André Barscisky e seu blog onde ele conseguiu resumir exatamente o lado legal desse filme; O Rush, banda que sempre foi esculhambada pelos críticos, fez um documentário tentanto provar o quão cool eles eram. Só que na cena final, onde vemos a banda tocando para uma platéia lotada e entusiasmada quase 35 anos depois de terem começado, o cenário o palco eram vários fornos para assar frango (?!?!?!). Ou mais conhecidos como "Televisão de Cachorro". Mesmo quando a moda era ser meio brega, o Rush conseguia ser além do brega. Fez discos com duas faixas, cada uma …

Discoteca Básica; 'Dirty Mind', Prince (1980)

Imagem
Discoteca Básica; 'Dirty Mind', Prince (1980)

Ele entra na década com um salto, um bote. O que diferencia este seu terceiro LP, dos dois anteriores? Está na capa, está no título: a definição de uma identidade - ou imagem ? - e, como friza seu biógrafo Dave Hill, uma atitude. Um ex-menino prodígio enxuga todos os possíveis excessos cabíveis em um multi-instrumentista que é arranjador de sete fôlegos e infinitas filigranas, vocalista de todas as máscaras, gritos e sussurros e seu próprio produtor. Se há algo que incomoda em "Dirty Mind" - e até compromete em "Purple Rain" - é a impressão de se ouvir alguém que pode fazer, em música, tudo o que quiser sem o menor esforço para ser o mais contemporâneo, o mais simples e direto - mais pop, enfim - possível.
Tudo isso é verdade, mas se limita ao primeiro lado do disco. A abertura com a faixa -título não deixa dúvidas. Tudo que era difuso no Prince anterior ganha contornos nítidos e, pela primeira vez, a pulsação de…

Música para sentir; 'Heaven Knows I'm Miserable Now', The Smiths (1984)

Imagem
Música para sentir; 'Heaven Knows I'm Miserable Now', The Smiths (1984) Algum de vocês já assistiu o filme 'Desconstruindo Harry', do mestre Woody Allen? Bem, para os que não assistiram, em dado momento, em forma de um pequeno conto, Harry (o personagem de Allen), nos conta uma história que havia criado á respeito de um ator que, um certo dia, fica literalmente embaçado, ou fora de foco, como ele gostava de frisar. Mesmo que todos o afirmassem que ele era o problema, ele insistia em fazer com que os outros revissem as suas opiniões, até chegar ao ponto de comprar óculos para os seus filhos, para que eles se adaptassem a nova realidade, ao invés de ele corrigir o seus problemas pessoais. Pois é, é exatamente assim que estou me sentindo. Você encontrou o seu 'ponto de equilíbrio'? Bom, essa tem sido a minha pergunta mais freqüente; Será que encontraremos, ou vamos ficar a vida inteira passando ou não chegando nos nosso limites? Na vida que eu levo, que inclui tra…

Música + Cinema; 'O Livro da Vida', de Hal Hartley (1998)

Imagem
Música + Cinema; 'O Livro da Vida', de Hal Hartley (1998)
O diretor Hal hartley faz aqui, na sua contribuição para o projeto “2000 visto por...”, que também gerou “Primeiro dia” de Walter Salles, uma dos melhores filmes sobre a passagem do milênio e suas (in)certezas. 
Explico; No último dia do ano, Jesus e Madalena (Martin Donavan e P.j. Harvey, sim, ela mesmo) voltam a terra para efetuar o juízo final. Em crise de consciência ‘humana’, Jesus desafia a autoridade divina e simplesmente, não inicia o apocalipse bíblico, base de toda a crença cristã e, então, a única razão para ela existir, enfim. 
O tom, sempre, é muito engraçado. Apesar dos questionamentos existências, votos de confiança na humanidade e um demônio nem tão ruim assim (Thomas Jay Ryan), a intenção é, definitivamente, não se levar a sério.

No amontoado de referências pós-modernas, algumas curiosamente amedrontadoras, como Jesus terminando sua saga em frente as torres gêmeas, temos Willian Burroughs narrando o apocali…

Disco da Semana: 'Achtung Baby : 20th Anniversary Super Deluxe Edition' (2011)

Imagem
Disco da Semana: 'Achtung Baby : 20th Anniversary Super Deluxe Edition' (2011)

A caixa Super Deluxe, comemorando vinte anos do lançamento do  amado "Achtung Baby" chegou aqui em casa. Lógico que não havia esperado ter esse quitute em mãos para ter me deixado á par do seu conteúdo; Já havia baixado todo o material de áudio e vídeo ainda em dezembro e já sabia tudo que estaria contido nele. "Então, por que comprou?" Oras, porque eu sou fanático! Só não comprei a Über Deluxe Edition pelo preço abusivo (hoje, no site da Amazon americana, bate mais de 480 dólares!). Optei pela Super Deluxe porque ela conteria o que mais me importa no pacote; Os cd's, dvd's e o fantástico livro de fotos e notas. Lógico que adoraria ter tudo em vinil, incluíndo os singles no formato original, todos os discos numa capinha bacana e o livrão independente. Cacete, até aquele óculos eu queria, mesmo sabendo que está hipervalorizado para uma réplica.
Bom, enfim. Já havia ouvido e …

Discoteca Básica; 'Tapestry', Carole King (1971)

Imagem
Discoteca Básica; 'Tapestry', Carole King (1971)

Num ano - 1971 - em que os Rolling Stones lançaram Sticky Fingers e o Led Zeppelin botou na rua o IV (Four Symbols), quem dominou a parada americana foi Carole King. Inteiramente composto e interpretado por King, Tapestry foi o campeão absoluto em vendas e execuções nas rádios naquele ano, tornando-se o disco mais vendido da história até então, superando inclusive os Beatles, que haviam implodido no ano anterior. Dentre as faixas mais famosas, destaca-se "You´ve Got A Friend", o perfeito hino à amizade que, dizia-se, teria sido inspirado em James Taylor, grande amigo e incentivador da carreira de Carole King. Anos mais tarde, ela explicou que não pensava em James quando se sentou ao piano para compor. Ela jura que a canção "veio de algum lugar, como acontecia freqüentemente". Místico, não? 
Desde os 18 anos Carole King escrevia músicas para outros artistas cantarem, no esquema que ficou conhecido como "o…

The 50-Song Project # 16 : 'The doubt you had in mind was never to be questioned'

Imagem
The 50-Song Project # 16 :  'The doubt you had in mind was never to be questioned'


01. 'St. Justice', Albert Hammond Jr. 02. 'Blood On My Hands', The Splinters 03. 'Sixpack', Jeff The Brotherhood 04. 'Go!', The Mind Spiders 05. 'Patio Song', Gorky's Zygotic Mynci 06. 'No Spare Key', Honeyblood 07. 'Do You Really Want to Know', Papercuts 08. 'Sunshine on my Back', The National 09. 'Well Alright', The Coathangers 10. 'Prysms', Temples 11. 'Sosey and Dosey', Drink Up Buttercup 12. 'Pictures in my Mind', Peter Hook & The Light 13. 'As Holy As The Soil', Manic Street Preachers 14. 'Clap', Hooded Fang 15. 'Brains', Lower Dens 16. 'Come a Little Closer', Cage the Elephant 17. 'Animal', Wavves 18. 'Rimbaud Eyes', Dum Dum Girls 19. 'Glitter', No Age 20. 'Orange', The Dandy Warhols 21. 'Restless', New Order 22. 'Cinnamon', Pelu…